Conheça Voice Of Baceprot: o trio feminino de Metal indonésio

Um banda de Metal Indonésio já não é algo que se vê todo dia, já que o gênero é mais conhecido pelos grandes grupos da Europa ou da América. 

Mais incomum ainda é um trio feminino de meninas, que faz um som pesado para chamar a atenção para causas sociais importantes

Um Trio Poderoso no Mundo do Metal Indonésio

O  trio feminino Voice of Baceprot, originárias de uma pequena comunidade religiosa em Garut, Java Ocidental, na Indonésia, têm desafiado as normas ao criar um som pesado que não apenas impressiona musicalmente, mas também abraça causas sociais importantes.

Com nove anos de trajetória, Firda Marsya Kurnia (vocal e guitarra), Widi Rahmawati (baixo) e Euis Siti Aisyah (bateria) formam o trio impressionante conhecido como Voice of Baceprot. 

Originárias de Singajaya, começaram tocando covers de artistas como Maroon 5 e Jessie J na adolescência; A descoberta da playlist de rock e metal indonésio de Abah, no entanto, mudou o curso de sua jornada musical, introduzindo-as ao som marcante de “Toxicity” do System of A Down.

Conhecendo Voice of Baceprot: Uma Jornada Musical Única

A singularidade da banda vai além da sua composição, refletindo-se também no nome escolhido: Voice of Baceprot, que significa “a voz do barulho” em Sundanês, sua língua nativa. 

O álbum de estreia, intitulado “Retas,” utiliza a palavra indonésia para um corpo de rocha ígnea que corta outras rochas, simbolizando a quebra de barreiras. Com influências de Nu-Metal dos anos 2000 e Hard Rock, a banda faz uma música honesta, desafiando as convenções do gênero.

Ativismo Através da Música: Causas e Inspirações

O que também é evidente é a veia ativista da banda. O lançamento de uma de suas primeira músicas, “The Enemy of Earth is You” de 2017, foi motivado pelo fato de que o ano de 2016 teve recordes em desastres naturais na Indonésia, inclusive na região de onde vem a VOB. 

A música “School Revolution”, lançada esse ano, é mais um exemplo de trabalho que chama atenção para mudanças necessárias, fazendo uma crítica a um sistema educacional excessivamente rígido. 

Mais um exemplo é “What’s The Holy (Nobel) Today”, primira música do álbum de estreia, um hino anti-guerra que elas escreveram em 2017. Todas as músicas das meninas de Garut tem um forte apelo político e social, e podemos entender a profundidade ao escutá-las.

Desafios e Resiliência: O Cenário do Metal Indonésio

“As pessoas costumavam dizer: ‘Vocês meninas são boas, mas deveriam ter seguido com qasida’”, lembra Marsya, referindo-se a canções islâmicas comumente cantadas por um grupo de mulheres de hijab.

“Também houve acusações de que usamos hijabs depois de iniciar a banda para ganhar popularidade rapidamente, que aproveitamos o estigma em torno de nossa escolha de roupas. Como assim? Como se quiséssemos esse tipo de atenção.”

Por esses e outros motivos, a banda escreveu “God, Allow Me (Please) To Play Music”: “Sinto que estou caindo no profundo buraco do ódio / Não sou a criminosa / Não sou a inimiga / Só quero cantar uma música para mostrar minha alma”. No entanto, de acordo com as próprias integrantes, isso também ensinou ao trio uma lição inestimável sobre tolerância e respeito.

Luta Constante: As Dificuldades da Mentalidade Conservadora

Apesar de sua força de superação, a banda ainda está longe de conseguir uma folga: “Houve progresso, mas o número de mulheres na cena de metal indonésio é minúsculo, e ainda não é um espaço seguro para nós”, diz Marsya.

 “Assédios sexuais ainda acontecem em concertos, e obviamente as redes sociais são muito tóxicas. Comentários como ‘como a VOB foi escolhida? Existem bandas mais pesadas por aí’ ou observações sobre nossos corpos ou qualquer coisa física ainda são muito comuns. […]

 Não importa que já tenhamos feito turnês pela Europa duas vezes e estamos prestes a fazer uma turnê nos EUA. Quando voltamos para nossa cidade natal, as perguntas que recebemos são ‘Quando vocês vão se casar e ter filhos?’ Isso é visto como a maior conquista para uma mulher”, lamenta Marsya.

Resiliência e um Futuro Brilhante

Independente de todo esse ruído, as meninas do Voice of Baceprot são a promessa de que seu barulho irá prevalecer. A existência desse trabalho incrível apenas prova que o metal indonésio é sim lugar de todos, principalmente daqueles que têm coisas importantes a serem ditas – e boas músicas a se tocar.

 Que elas sigam conquistando o espaço que mereçam, contribuindo para a educação de uma cena com mais respeito, diversidade, mensagens importantes e sons incríveis!

2 Comments

  1. O som pesado comm melodias criativas impulsionam demais as letras ideológicas e resistentes das integrantes. Muito foda ter conhecido elas! Valeu demais Metal News ❤️

    1. Muito obrigado por compartilhar, Thiago! Essas meninas são realmente emocionantes, e conhecer o som delas fazendo essa matéria foi incrível! A gente que agradece pela atenção ❤️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *