A evolução das máscaras do Slipknot

O Slipknot, sem sombra de dúvidas, é uma das mais proeminentes bandas de metal desde o início do século XXI, trilhando uma jornada intensa ao longo de décadas.

Distanciamento da fama: a escolha dos Mascarados de Iowa

Aproximando-se do final dos anos 90, os mascarados de Iowa optaram por distanciar-se da fama vinculada às suas aparências e nomes e direcionar toda a atenção para sua música e performance.

Identificando-se por números de zero a oito, cada membro adotou uma máscara única que mudou longo de cada ciclo de álbuns, desde sua estreia em 1999 com o álbum intitulado Slipknot. Podemos afirmar que essa galeria não inclui todas as variações de máscaras, mas sim aquelas que apresentaram maior mudança em ciclo e visual para a realidade da banda.

Mudanças drásticas: não só na aparência, mas nos membros

As máscaras mudaram não só de aparência, mas em alguns casos, de dono. Durante a trajetória da banda alguns membros saíram ou se foram, como o baixista Paul Gray que faleceu em 2010. O percussionista Chris Fehn também saiu em 2019, o que causou a entrada de “Tortilla Man” (Michael Pfaff). Joey Jordison, o baterista fundador, deixou o grupo em 2013 e, lamentavelmente, faleceu em julho de 2021. Até mesmo o baterista Jay Weinberg, seu sucessor, já saiu da banda e ainda não foi oficialmente substituído.

Nove Máscaras, Nove Personagens

Aqui nós apresentamos a vocês nove máscaras de cada era de álbum, uma para cada integrante. Agora vocês poderão imergir em uma jornada de lembranças, nostalgia e terror, na medida que podem reviver os momentos em que viram pela primeira vez cada uma das criaturas abaixo.

Corey Taylor

Clown

Mick Thomson

Paul Gray

V-Man

Jim Root

Chris Fehn

Tortilla Man

Craig Jones

Joey Jordison

Jay Weinberg

Sid Wilson

Matéria e galeria por Lauryn Schaffner da Loudwire.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *